Um livro é como uma janela. 
Quem não o lê, é como alguém que ficou distante da janela e 
só pode ver uma pequena parte da paisagem. 

Gibbran Kahlil Gibran

Resumo:
Seus empregados vestem a camisa da sua empresa?
Você sabe como fazer para ter empregados que vistam a camisa da sua empresa?
Aqui você encontrará uma boa parte desse caminho.




Todo empresário busca ter empregados que vistam a camisa da sua empresa. Esse é um termo usual, mas que fica difícil especificar em termos de comportamento e atitudes que se deseja.

Vestir a camisa da empresa é engajar-se na busca dos resultados que a empresa necessita.

Muitos empresários esquecem-se de que toda relação deve ser uma relação de troca, e como a relação patrão empregado ou empregado – empresa também está submetida aos mesmos conceitos básicos de todas as demais relações: afetivas, de amizade, comerciais, profissionais.

Veja o gráfico abaixo que explica como se estabelecem relações de troca, onde somente uma e a ganha – ganha:


Todas as relações procuram estabelecer relações ganha-ganha, ou onde exista a equidade.

Para saber mais sobre equidade, leia aqui:

TEORIA DA EQUIDADE

Mas um psicólogo, de nome quase impronunciável, Mihalyi Csikzentmihalyi, trouxe alguma luz sobre o assunto. Ele criou o conceito de pessoas que atuam no “fluxo”.

Quais seriam as características das pessoas que vivenciam o “fluxo”?

Se você vivenciou a experiência do “fluxo”, então você deve ter se sentido mais ou menos assim:

Você esteve completamente envolvido, centrado, concentrando – isto é devido ou à sua curiosidade inata, ou como resultado do seu treinamento, com algumas destas características:

1.       Sensação de êxtase:
como se você estivesse fora da realidade do dia a dia. 

2.      Uma grande clareza interior:
sabendo o que precisa ser feito e como o trabalho está se desenvolvendo.

3.       Saber que o trabalho é realizável:
que as competências são suficientes, nem ansioso ou aborrecido.

4.       Sensação de serenidade:
não se preocupa com autonomia, sentimento de crescimento para além das fronteiras do ego – depois de atingir a sensação de transcendência do ego não há mais o que pensar.

5.       Oportunidade:
completamente focado no presente, não há espaço para o tempo passado.

6.        Motivação intrínseca:
o que quer que produza o “fluxo” se torna sua própria recompensa.

Como esse senhor, de nome impronunciável, define o “fluxo”?

Ele trabalha, basicamente, as competências pessoais frente aos desafios que o trabalho nos apresenta. Ele diz que os indivíduos para experienciar o “fluxo” precisam ter adequado os desafios às suas competências.

Veja no gráfico abaixo, locais apontados onde não há possibilidade de ocorrer o “fluxo”.

Veja os pontos assinalados, que apresentam pontos de baixa produtividade para qualquer empresa:

Ansiedade: 
os desafios apresentados são elevados, mas as competências disponíveis não permitem a realização do trabalho;

Apatia: 
os desafios apresentados exigem muito pouco e as competências disponíveis também são poucas, ou seja, estamos lidando com pessoa limitada;

Aborrecimento: 
uma pessoa altamente preparada usada para executar trabalho mecânico, sem desafios.

O autor recomenda que as pessoas sempre tenham trabalhos com características de desafio, que ocupem todas as suas potencialidades, todas as suas competências.

Veja o gráfico a seguir, com um detalhamento maior entre Desafios e Competências.

Sem colocar a pessoa no “fluxo” não é possível fazer o empregado vestir a camisa. No entanto vestir a camisa da empresa envolve colocar a pessoa no “fluxo”, mas não somente.

Veja o nosso artigo sobre a Hierarquia da Necessidades de Maslow:

AS NOSSAS NECESSIDADES E OS NOSSOS DESEJOS

A sua empresa para fazer com que o empregado vista a camisa precisa ser a alavanca para atender as necessidades sociais, de status e de autorealização dos seus empregados, que são os 3 últimos níveis da Hierarquia da Necessidades de Maslow.




Aliás este conjunto de informações, somadas a outras, pode ser um bom resumo do que é Gestão de Pessoas, o que é um bom título para o nosso Boletim da semana que vem.

Sua empresa contrata empregados que têm condições de vestir a camisa da sua empresa?

A sua empresa estabelece com os seus empregados relações de troca ganha-ganha? É assim que os empregados enxergam a relação de trabalho deles com a sua empresa?

Sua empresa cuida de alavancar as pessoas para elas trabalhem constantemente em “fluxo”?

Você está obtendo o máximo engajamento dos seus empregados?

Veja os dados da Hay Group Management sobre as diferenças de desempenho entre empregados médios e os empregados engajados:


Diferença no desempenho
empregados engajados X empregados médios

Tipo de Trabalho% Diferença
Trabalho de complexidade pequena19
Trabalho de complexidade média32
Trabalho de alta complexidade48
Trabalho com vendas48 a 120

Você quer ter empregados vestindo a camisa da sua empresa? 

Você quer ter empregados engajados? É isso que você precisa?

Você sabe como obter isso? A Merkatus pode ajudá-lo nessa tarefa. 

Consulte mais sobre os nossos serviços na página PERGUNTAS E RESPOSTAS, ou nos contate sem compromisso.

Construamos uma ótima semana.

Carlos Alberto de Faria

Graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1972 e pós-graduado em Marketing de Serviços pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 1997. Mais de 40 anos de experiência em Marketing.

Este artigo pode ser impresso, repassado ou copiado, no todo ou em parte, desde que
1º – mantida a autoria; 2º – divulgado o autor e 3º – divulgado o endereço do site  https://www.merkatus.com.br