O DESAFIO E AS COMPETÊNCIAS (II)

Em complementação ao artigo anterior, onde vimos as vantagens para os empregados da aplicação do conceito de competências, neste apresentamos as vantagens para as empresas.O foco das competências tem também o seu bom lado para as empresas, a saber:  1Melhor Planejamento Para se encontrar quais as competências necessárias e suficientes, para que a empresa obtenha os resultados esperados e desejados, é necessário fazer, antecipadamente, um planejamento do que deve ser alcançado em termos de resultados, portanto trabalhar com competências melhora, intrinsicamente, o planejamento.  2Padronização O planejamento feito, os resultados a serem alcançados definidos e as competências determinadas são a base para o passo seguinte: a padronização das atividades, que faz com que fique clara a área de atuação da administração do pessoal: desde o treinamento até a avaliação de desempenho, política de remuneração e benefícios, clima organizacional propício, etc. A padronização é tão mais detalhada quanto maior for a natureza das competências de habilidade e menos detalhada quanto maior for a natureza das competências de conhecimentos e atitudes, pois a primeira é mais tangível e sujeita a observação e medidas, enquanto as outras duas são mais de percepção e sentimento, mas nem por isso menos importantes e menos sujeitas à avaliação. Eu diria que é exatamente o oposto, como são menos tangíveis, precisam ser seguidas, perseguidas e acompanhadas com muito mais afinco e determinação.  3Maior produtividade Os custos na contratação do pessoal são minimizados, pois como estão estabelecidas as competências, a contratação das competências – pessoas – fica circunscrita ao necessário e suficiente, já que é normal maior remuneração quanto maior a quantidade de competências. O próprio desenvolvimento do pessoal passa a ter dois componentes: o necessário e o útil, que podem ser administrados de acordo com a disponibilidade e desempenho financeiro.  A Matriz de Stamp, apresentada abaixo, mostra, de uma forma resumida, as principais vantagens de se trabalhar por competências, dentro das empresas.

Figura 1 – Matriz de Stamp, para a empresaAbaixo, a descrição de cada uma das 3 áreas apresentadas na Matriz de Stamp:  1DESAFIO MENOR QUE AS COMPETÊNCIAS O desafio é menor do que as competências do empregado. A empresa pode estar pagando mais por um conjunto de competências que não está sendo necessária para a obtenção dos resultados esperados e desejados, podendo gerar também falta de produtividade – poderia estar fazendo o mesmo com menos, e abrindo a porta para a concorrência. A subutilização do empregado pode trazer reflexos negativos na sua motivação, podendo contaminar o clima organizacional, o que prejudicaria ainda mais a obtenção dos resultados.  2DESAFIO MAIOR QUE AS COMPETÊNCIAS O caso contrário ao acima é quando o desafio é superior às capacidades. Neste caso as competências são insuficientes para produzir os resultados esperados e desejados. É o caso, lógico, que mais pode comprometer a obtenção dos resultados, além de afetar, possivelmente, o clima organizacional.  3DESAFIO E COMPETÊNCIAS EQUILIBRADOS A posição de equilíbrio, aquela em que o desafio é suportado, na medida, pelas competências, gera os resultados desejados e maior produtividade. Isto é o que qualquer empresa séria quer.  Um ponto importante, e pouco comentado, é a dificuldade de se encontrar um conjunto de competências que se possam definir como suficientes. As competências necessárias são mais fáceis de serem listadas, mas a garantia da suficiência é muito difícil. Com isto estamos querendo dizer que á fácil encontrar uma competência necessária, mas garantir que um conjunto de competências é suficiente para obter determinado resultado, é bem mais difícil. Esta experiência vem com a prática, já que “tentativa e erro” é o mais antigo sistema de aprendizagem.O QFD – Quality Function Deployment -, ferramenta da área da qualidade, utilizada pela Toyota, é uma boa tentativa para se conseguir a suficiência, ao longo do tempo! A tradução usual de QFD é Desdobramento da Função Qualidade. Há inúmeros livros a respeito.Até uma próxima vez!

Carlos Alberto de Faria

Graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1972 e Pós-Graduado em Marketing de Serviços pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 1997. Mais de 40 anos de experiência em Marketing.


Este artigo é uma prática de disseminação de conhecimento adotada pela Merkatus, através do correio eletrônico, de circulação restrita e exclusiva para pessoas, instituições ou empresas que manifestaram o interesse em recebê-lo. Este artigo aborda temas que ajudam as pessoas, as empresas e as instituições a aprimorar: a) a obtenção de mais e melhores clientes certos; b) a conformidade do que produzem ou fazem à demanda do seu mercado; c) a aproximação de interesses convergentes entre a demanda e a oferta, dentro da área de serviços. É nosso intuito promover o desenvolvimento pessoal e aprimorar as relações comerciais do mercado. 

Este artigo pode ser impresso, repassado ou copiado, no todo ou em parte, desde que: 1. mantida a autoria; 2. divulgado o autor; e 3. divulgado o endereço do site www.merkatus.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.