CULPA POR FALTA DE TEMPO?

“Aqueles que gastam mal o seu tempo são 
os primeiros a queixar-se da sua brevidade.”

Jean de La Bruyère

RESUMO:
Culpa, ansiedade e preocupação com tudo o que há para ser feito?
Várias tarefas importantes para serem feitas e pouco tempo?
Há um outro caminho que não leva ao estresse.

No mundo de hoje somos continuamente chamados a prestar atenção em algo… somos bombardeados com informações que clamam para que nos viremos e dediquemos alguns dos nossos preciosos minutos a alguma que quer ser conhecida, reconhecida ou tem algum tipo de interesse em capturar a nossa atenção.

Eu recomendaria que em um dia normal de trabalho você anotasse quantas são as intervenções colocadas no seu caminho, qualquer que seja ele, buscando capturar a sua atenção. 

Você vai ficar espantado com o número: anúncios no rádio, na televisão, no jornal, na revista, o malabarista da esquina, o vendedor de balas do semáforo, os “outdoors”, as revistas expostas no jornaleiro, os seus filhos, o seu cônjuge, os seus amigos, etc.

Os chamados, em busca de nossa atenção, são inúmeros e tenho dúvidas se poderemos enumerá-los, mesmo em um único dia. 

Esta situação do mundo atual pode ser massacrante, e pode acabar deixando uma percepção de culpa em muitas pessoas que não conseguem dar atenção a tudo e a todos que ele julga serem merecedores da sua atenção. Esta situação é particularmente doentia, pois culpa imobiliza. E essa imobilidade leva a patamares de culpa crescente.

No entanto, reconhecendo este estado de perseguição à nossa atenção, cabe a nós sermos os diretores da nossa cabeça, dando atenção àquilo que nós dermos prioridade, antecipadamente. 

O que queremos fazer do nosso tempo?

O que faremos com o tempo que temos disponível todo o dia? 

Tempo é um dos recursos mais raros que temos, pois nem dá para comprar, nem tampouco barganhar: o tempo nos escapa entre os dedos a razão de:

– 60 segundos por minuto,

– 60 minutos por hora,

– 24 horas por dia (86.400 segundos);

– 365 dias por ano (31.536.000 segundos);

ao longo de toda a nossa existência.

E a nossa vida se constrói e se nos escapa.

O que fazemos com o tempo, o tempo limitado que temos, a cada segundo, a cada hora, a cada dia, a cada ano, ao longo da nossa vida?

O que você faz com o seu tempo?

Nós fazemos aquilo que escolhemos fazer, mesmo que a escolha seja atender aos diversos chamados que pululam à nossa frente, a cada segundo.

Na realidade a aparente falta de tempo é uma percepção errônea do que acontece, pois temos os mesmo 31.536.000 de segundos por ano, tais como nossos ascendentes pré-históricos tinham.

O que mudou foi que o conhecimento aumentou, os chamamentos à nossa atenção aumentaram, as possibilidades de entretenimento aumentaram, as múltiplas opções, facilidades e possibilidades estão presentes em nossas decisões mais simples – veja, por exemplo, as possibilidades oferecidas na compra de um simples detergente lava-louça.

Todo este conjunto de possibilidades nos coloca imersos em um mundo que nos é impossível apreender em sua totalidade, podendo gerar também ansiedade pelo desejo de fruição deste conjunto inumerável facilidades colocadas à nossa mão.

O que fazer com tudo isso? 

O que fazer conosco? 

O que fazer com você?

Você é escravo do tempo ou utiliza o tempo para a sua realização?

Só há uma única resposta: 

– o mundo é assim, 

– o mundo não para por sua causa;

– o tempo tem uma velocidade constante de 60 segundos por minuto,

– você é o único dono do seu tempo;

– a responsabilidade pela escolha do que você faz com o tempo, colocado à sua disposição, é exclusivamente sua.

Portanto, nunca houve, nem tampouco haverá falta de tempo. O que pode haver é falta de foco.

Foco quer dizer: ter o domínio do que você vai fazer no próximo segundo, no próximo minuto, no próximo dia, no próximo mês, no próximo ano. 

A sua eficiência neste seu domínio sobre o tempo, que você e todos nós temos disponível, diz muito sobre a culpa e a ansiedade que você sente com o “uso” do seu tempo.

Como você quer usar o tempo que você tem a razão de 31.536.000 segundos por ano?

As suas escolhas, a cada segundo futuro, representam a vida que você reservou e escreveu para você, a cada segundo passado.

Na sua vida nunca houve falta de tempo, há falta de foco.

Você pode escolher:

– contratar mais pessoas,
– pedir ajuda a outros profissionais;
– definir prioridades;
– dar mais tempo para você e para a sua família;
– continuar na mesma.

Qualquer que seja a sua escolha, ela é de sua inteira responsabilidade, e o resultado dessa escolha recai sobre você. 

Você só colherá o que você plantou. SEMPRE!

Se você ou a sua empresa precisam priorizar o que há para fazer,escolher as melhores opçòes, escolher as melhores oportunidades para alavancar a sua empresa, a Merkatus pode ajudá-lo. Contate-nos já.

Construa uma semana de ótimos resultados.

Carlos Alberto de Faria

Graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1972 e Pós-Graduado em Marketing de Serviços pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 1997. Mais de 40 anos de experiência em Marketing.


Este artigo é uma prática de disseminação de conhecimento adotada pela Merkatus, através do correio eletrônico, de circulação restrita e exclusiva para pessoas, instituições ou empresas que manifestaram o interesse em recebê-lo. Este artigo aborda temas que ajudam as pessoas, as empresas e as instituições a aprimorar: a) a obtenção de mais e melhores clientes certos; b) a conformidade do que produzem ou fazem à demanda do seu mercado; c) a aproximação de interesses convergentes entre a demanda e a oferta, dentro da área de serviços. É nosso intuito promover o desenvolvimento pessoal e aprimorar as relações comerciais do mercado. 

Este artigo pode ser impresso, repassado ou copiado, no todo ou em parte, desde que: 1. mantida a autoria; 2. divulgado o autor; e 3. divulgado o endereço do site www.merkatus.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.