COMO AGIR NESTA ERA DO CONHECIMENTO?

Nós escutamos cada vez mais sobre esta era da informação e do conhecimento, e, perplexos, ficamos a pensar o que isto nos afeta.

Isto pode nos afetar muito, ou nada! Depende de nossa atitude frente à disponibilidade das informações.

O desenvolvimento da área de tecnologia da informação (TI), a Internet, a facilidade com que as informações tornam-se disponíveis, causa um profundo impacto no
desenvolvimento do ser humano e, conseqüentemente, da sociedade organizada.

Os custos decrescentes da área de TI facilitam a obtenção dos mais variados dados, informações, conhecimentos e aplicações, em todas as áreas do conhecimento humano. E não estamos falando somente de ciência, estamos falando de conhecimento!

O problema, que surge com este volume crescente e disponível de dados e informações, é a sua utilização e aplicabilidade.

Vejamos como este emaranhado de conhecimento, TI, informações e dados se entrelaçam.

1. O elemento básico é o dado.

2. Um conjunto de dados agrupados e analisados pode setransformar em informação disponível e útil.

3. A aplicação destas informações para promover uma mudança desejada é conhecimento.

4. O uso do conhecimento em diversas áreas: o assunto em questão – oriundo dos dados iniciais -, a cultura, aestratégia, a atual situação do mercado e dos concorrentes formam a inteligência competitiva.

Então vamos aprofundar um pouco mais estas informações.

O dado sozinho não diz nada, não tem valor. O dado pode ser enviado, trocado.

A informação também pode ser trocada e comunicada.

O conhecimento pode ser facilmente compartilhado, disseminado.

As duas últimas frases explicam porque há tantas reuniões nas organizações. A próxima frase justifica!

O conhecimento agregado, trabalhado, oriundo de diversas áreas, ou de pessoas específicas, dá forma, identifica e potencializa a ação necessária. Essa é a formação da inteligência competitiva.

O diferencial de cada empresa está nas ações que ela toma para atender ao seu mercado. Estas ações são dependentes do conhecimento e das informações disponíveis.

Essas ações têm que estar lastreadas, suportadas pela inteligência competitiva, e buscam a singularidade do atendimento às necessidades, presentes e latentes, do mercado.

Um ponto bastante interessante é a aplicação destes conceitos à empresa individual que cada um de nós somos: a VOCÊ S.A.!

Como está a sua inteligência competitiva?

Qual é o diferencial de potencial de conhecimento aplicado que a VOCÊ S.A. – a sua empresa individual – está oferecendo ao mercado?

A VOCÊ S.A. está constantemente agregando novos conhecimentos que o seu mercado busca?

A VOCÊ S.A. está constantemente buscando novas fontes de dados, informações para agregar ao seu patrimônio intelectual, aumentando a sua inteligência competitiva?

Como a VOCÊ S.A. está obtendo, registrando e disseminando conhecimento na sua área de atuação?

Lembre-se que a informação e o conhecimento só são úteis se circulam, e só circulam se são úteis.

E a VOCÊ S.A. está agregando valor – sendo útil – à organização?

Muito bem! Até aqui vimos que informação e conhecimento formam a inteligência competitiva, quer nas organizações, quer nas pessoas, nós próprios!

Mas o que se deve fazer?

A informação e o conhecimento abundantes proporcionam ações rápidas, que constroem um mundo diferente, a cada instante, gerando novas informações e novos conhecimentos. Ou seja, a sua ação no mercado – quer seja você ou uma organização – muda o mercado, gerando novos dados, novas informações, novos conhecimentos, ensejando novas ações.

Essa aparente cobra que anda atrás do próprio rabo, não é autofágica, ela forma uma espiral. Isso sempre foi assim. O que mudou – e muito – é a velocidade de construir e caminhar nessa espiral.

Reter informação e conhecimento, hoje, é desperdício. Amanhã eles estarão obsoletos. E quem só acumula, guarda velharia inútil.

E o que resta fazer?

A entidade dentro do mercado, que não se atualiza, fica para trás. Pode ser você, pode ser uma organização.

Só resta uma opção: atualização constante.

Mas como o conhecimento cresce e, tanto as organizações, como o ser humano – em menor escala – não conseguem reter todas e quaisquer informações e conhecimentos,
resta outra opção, dentro da primeira opção: foco!

Portanto estas são as regras básicas, desta era do conhecimento:

  
1.Atualize-se constantemente, tendo foco na sua área de atuação.
  
2. Dissemine o conhecimento.
  

Isto vale para toda e qualquer organização, inclusive a VOCÊ S.A.!

Façamos todos uma ótima semana!

Carlos Alberto de Faria

Graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1972 e Pós-Graduado em Marketing de Serviços pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 1997. Mais de 40 anos de experiência em Marketing.


Este artigo é uma prática de disseminação de conhecimento adotada pela Merkatus, através do correio eletrônico, de circulação restrita e exclusiva para pessoas, instituições ou empresas que manifestaram o interesse em recebê-lo. Este artigo aborda temas que ajudam as pessoas, as empresas e as instituições a aprimorar: a) a obtenção de mais e melhores clientes certos; b) a conformidade do que produzem ou fazem à demanda do seu mercado; c) a aproximação de interesses convergentes entre a demanda e a oferta, dentro da área de serviços. É nosso intuito promover o desenvolvimento pessoal e aprimorar as relações comerciais do mercado. 

Este artigo pode ser impresso, repassado ou copiado, no todo ou em parte, desde que: 1. mantida a autoria; 2. divulgado o autor; e 3. divulgado o endereço do site www.merkatus.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.