ASSERTIVIDADE É…

“Dê a todas pessoas os seus ouvidos, 
mas a poucos a sua voz.” 

Willian Shakespeare

RESUMO:
“Você pode ser sempre você!
A liberdade do outro começa onde termina a sua.
Aprenda a falar dos seus sentimentos próprios, a falar de si. 
Quando falamos de nós próprios podemas falar de como as palavras, as ações dos outros nos impactam, sem julgar o outro.
Isto é assertividade, tão comentada e tão mal aplicada…

Hoje, fala-se e se usa a assertividade de uma forma indiscriminada e inapropriada. 

Assertividade acabou virando uma desculpa para as pessoas “enfiarem o pé na jaca”:- “Você me desculpe, mas eu vou ser ‘assertivo’!”

O próprio uso desta frase já mostra a não assertividade, pois se você é assertivo, não precisa pedir desculpas para expor o que quer que seja.

Há várias ocasiões, dificuldades e falta de repertório comportamental e atitudinal, que levam as pessoas a deixarem de ser assertivas:

– Elas não sabem trabalhar e se relacionar adequadamente com pessoas.

– Elas não se mostram por inteiro para os outros.

– Elas têm dificuldades de aceitar a diversidade de papéis, opiniões e sentimentos.

– Elas não expressam suas opiniões, desejos, expectativas, percepções, sentimentos e emoções.

– Elas querem manter controle sobre si ou sobre os outros, ou sobre si e os outros.

– Elas não sabem definir os seus limites, nem perceber os limites das outras pessoas.

– Elas têm medo, raiva, frustração, falta de esperança com as pessoas do seu relacionamento pessoal e profissional.

– Elas têm pena de si próprias e se colocam na defensiva.

Antes de falar sobre como ser assertivo, vamos dizer o que assertividade não é: 

– Assertividade não é ser “sincero” com os outros. 

– Assertividade não é você ter “pontos de vista sobre pessoas”.

– Assertividade não é julgar os outros.

– Assertividade não é por para fora tudo o que você pensa.

– Assertividade não é você se mascarar ou se camuflar.

– Assertividade não é evitar conflitos e críticas.

Assertividade não é ser passivo, e aceitar os padrões de outrem, impostos de fora para dentro; nem tampouco ser agressivo, e emitir uma avalanche de impropriedades a quem você julgar atravessar os seus limites. 

Um outro conceito, bastante misturado com a assertividade é o “feedback“. Só para esclarecer e trazer um posicionamento claro: Ser assertivo é não ser passivo, nem ser agressivo, ou quaisquer combinações possíveis destes dois comportamentos não apropriados, pois podem conduzir você a momentos indesejados, para você e para quem o acompanha, produzindo uma baixa crescente na sua auto-estima.

Chamar alguma coisa de “feedback”, não faz disso um “feedback”; se ele contém um julgamento, é uma crítica. “Feedback” refere-se a observações, jamais julgamentos ou críticas.” 

Esta frase está no livro “REAL COACHING AND FEEDBACK – How To Help People Improve Their Performance”, de J. K. Smart, Pearson Education, 2003.

Assertividade é:

– viver e usufruir os seus direitos;

– reconhecer e expressar os seus sentimentos e emoções;

– solicitar o que você quer;

– expressar os seus pontos de vista sobre assuntos, idéias, ideais, e conceitos;

de forma direta, com integridade, honestidade e respeito aos outros. 

Assertividade é estar presente, por inteiro, sempre e, não só permitir, mas incentivar que as demais pessoas à sua volta também ajam de forma semelhante.

Uma pessoa assertiva é aquela que tanto reconhece como permite que as suas vozes internas sejam liberadas, com classe, pois, como constantemente liberadas, não há a repressão passada que provocaria o grito de hoje ou do futuro. 

Ser assertivo é:– fazer emergir o seu “eu”, 

– aceitar o seu “eu”, 

– expor o seu “eu” com altivez,

– fazer o seu “eu” ser visível e respeitado;

– criar uma parceria com você próprio.

Ser assertivo é deixar de ser perfeito, é aceitar e expor as suas falhas, as suas emoções e opiniões cruas e não “politicamente corretas”, o seu lado humano incoerente, mas real.

Neste ponto há outro engano comum: opinião sobre os outros, frequentemente, é um julgamento. Já assertividade é falar de si, de suas emoções e sentimentos. Leia os artigos:O JUÍZO DE VALOR E A ACEITAÇÃO DO PRÓXIMO

O “FEEDBACK” E A ACEITAÇÃO DO PRÓXIMO

Quando você conseguir essa sua parceria consigo mesmo, essa parceria conduz a que o mandamento“Ama o próximo como a ti mesmo.”

deixe de ser um mandamento, e passe a ser a constatação de que os seus comportamentos e as suas atitudes constroem:“Você aceita e ama o seu próximo na mesma e exata medida que aceita e ama a si.”

E para esta construção, não há um início, nem um final; o todo se forma pela sua vontade, por pequenas aproximações sucessivas, ao longo da sua vida.

Com a assertividade não há, definitivamente, a “degustação de sapos”. Para conhecer algumas técnicas de assertividade leia:A ARTE DE NÃO ENGOLIR SAPOS

Depois das técnicas práticas da assertividade apresentadas nesse Boletim acima só resta dizer que toda e qualquer a pessoa que:- ou trabalha com público,
– ou vive em família ou comunidade,
– ou se relaciona com pessoas,

necessita exercer a assertividade.

Você se enquadra em alguma destas condições?

Leia mais sobre o assunto:AUTO-ESTIMA, ASSERTIVIDADE E RESILIÊNCIA

sobre como estes três conceitos estão entrelaçados.

Se você busca ser cada vez mais você, você precisa dar espaço para que as suas emoções e sentimentos surjam, sejam percebidas e assumidas por você. Leia:SINTONIA COM VOCÊ.

Dificuldades em ser assertivo? A Merkatus pode ajudá-lo. por exemplo, faça o nosso curso à distância, pela Internet. Consulte nossos cursos na página inicial.

Ou nos contate diretamente, ou ainda leia a página PERGUNTAS E RESPOSTAS para maiores informações sobre nossos serviços.

Construa uma semana excelente.

Carlos Alberto de Faria

Graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em 1972 e Pós-Graduado em Marketing de Serviços pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 1997. Mais de 40 anos de experiência em Marketing.


Este artigo é uma prática de disseminação de conhecimento adotada pela Merkatus, através do correio eletrônico, de circulação restrita e exclusiva para pessoas, instituições ou empresas que manifestaram o interesse em recebê-lo. Este artigo aborda temas que ajudam as pessoas, as empresas e as instituições a aprimorar: a) a obtenção de mais e melhores clientes certos; b) a conformidade do que produzem ou fazem à demanda do seu mercado; c) a aproximação de interesses convergentes entre a demanda e a oferta, dentro da área de serviços. É nosso intuito promover o desenvolvimento pessoal e aprimorar as relações comerciais do mercado. 

Este artigo pode ser impresso, repassado ou copiado, no todo ou em parte, desde que: 1. mantida a autoria; 2. divulgado o autor; e 3. divulgado o endereço do site www.merkatus.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.