CARLOS ALBERTO DE FARIA  apresenta:
ARTIGOS



ALINHAMENTO PESSOAL



 

- O Fulano fez "isso", então eu vou fazer "aquilo"!

Você já ouviu uma frase parecida com esta? Essa frase é bastante comum e tem muito a ver com que discutiremos neste artigo.

Primeiramente vamos apresentar uma tabela na qual estão representadas algumas das principais atividades dos seres humanos, de forma esquemática. Não estamos querendo reduzir ou explicar toda a complexidade do ser humano em uma simples tabela, mas somente, através da ajuda de uma tabela, explicar mais facilmente um ponto de vista que pode ser útil.

Hierarquia Verbo Características
O que você é Ser Valores, crenças, princípios intrínsecos, estado de consciência, ética
Os seus papéis Estar Papéis, hábitos, idéias, desejos
As suas ações Fazer Atividades – família, trabalho, lazer, estudo, sustento, obrigações sociais
Os seus resultados Ter Posses, posição social, posição no trabalho, bens, relacionamentos, prestígio
Tabela 1 - Apresentação esquemática das atividades humanas.

Cada um de nós, seres humanos, atuamos preferencialmente em algum nível desta hierarquia.

A minha qualidade de vida pessoal é determinada pela maneira como me organizo dentro dessa hierarquia mostrada na tabela acima. A sua também!

Ação preferencial Conseqüência
Ter
Minha vida se enche de insegurança e medo na tentativa de proteger as aquisições, os bens, os relacionamentos, o prestígio e as posses. Os próprios relacionamentos podem envolver uma dose de posse, seguramente.
Fazer
Eu não consigo parar, estou constantemente ocupado em ações e reações, sem forças para sair dessa roda viva, tudo depende de minhas ações e não tenho tempo para fazer tudo.
Estar
Eu me perco nos papéis, nas emoções e nos sonhos que eles produzem, numa roda-viva imobilizante.
Ser
Eu me valho da ética, dos meus princípios, valores e crenças e subordino a este conjunto os papéis (pai, mãe, empresário, empregado, esportista, gourmet, etc.), as ações (aquilo que eu faço em cada um dos meus papéis) e os resultados das minhas ações e do desempenho em meus múltiplos papéis ao longo do tempo e das interações que tenho na vida

O alinhamento da minha vida começa com a minha definição pessoal de quais são os meus valores, a minha ética, o meu propósito de vida, enfim, a minha missão.

Embora isto possa parecer simples, muitas pessoas quando defrontadas com esta apresentação, perguntam:

- "É! Mas quando o "outro" não age assim? O que eu faço? Eu vou ser cordeirinho?"

A resposta é o alinhamento pessoal!

Dentro do alinhamento pessoal há ainda outra forma de se sentir neste nosso mundo. Aprensentaremos aqui dos dois pontos extremos. A sua pessoa pode situar-se entre estes dois extremos, e nosso estado de espírito de momento pode influir em nossa posição entre estes dois extremos.

Os dois extremos são os seguintes:

1- Pessoas que se julgam uma engrenagem dentro de uma grande máquina da vida, que as movimentam daqui para lá, são pessoas que colocam o controle da sua vida em algo que está fora delas, são pessoas que são alinhadas pelo mundo exterior, colocando suas ações como dependentes do mundo que as cerca.

 

Alinhamento externo - Controle externo -
Submissão à realidade

 

Se você subordina o seu TER, o seu ESTAR, o seu FAZER, o seu SER a condições encontradas em outras pessoas ou em situações externas, você abdica da sua liberdade de SER, FAZER, ESTAR e TER o que você é, faz, está ou tem, em função de "alguma coisa" da realidade exterior, de outra pessoa, fatos ou de situações externas à sua pessoa.

Nestas condições você torna-se dependente tanto das situações como dos outros, você não age sobre o mundo, você reage a ele! Você não tem perfil próprio, seu perfil depende de como você sente que os outros agem com você, de como o mundo se lhe apresenta..

Você se sente uma engrenagem que o mundo movimenta, e você não tem controle sobre esse movimento, o controle está fora de você, nebuloso. Você é uma pessoa que vê o local de controle fora de você.

   

 

2- Pessoas que se colocam como atores independentes dentro do que lhe acontece na vida, são pessoas cujas ações, comportamentos e atitudes são fortemente influenciados por seus princípios, crenças e valores, o que está dentro delas, e com este aparato interno interagem com o que lhes acontece na vida, criando uma relação de interdependência com o que lhes cerca.

  Alinhamento interno - Controle interno
Interação com a realidade
 

Note que uma pessoa que se percebe, que se sente, que dá vazão aos seus sentimentos e emoções, que tem ética, que tem valores, princípios e crenças, é uma pessoa que sabe o que é. É uma pessoa que atua preferencialmente no SER.

A pessoa que atua preferencialmente no SER tem muito mais condições de se respeitar e alinhar o ESTAR, o FAZER e o TER ao SER. Esta pessoa alinhada pode exercer a liberdade, uma vez que o controle do ESTAR, FAZER e TER está dentro dela, é o que ela é, e não fora, dependente de outras pessoas ou situações! Esta é uma pessoa que coloca o local de controle dentro de si.

   

Nesta polarização apresentada, traçamos extremos entre o Controle Interno e Controle Externo. É difícil, ou praticamente impossível, encontrar alguém fixo em um dos extremos. As pessoas navegam entre os extremos, de acordo com diversas e variadas situações, tanto internas como externas, bem como há variações ao longo do tempo.

O quadro polarizado apresentado serve tão somente como referência. Não deve ser utilizado para rotular ninguém, mas para melhor entendermos a nós, e a cada um de nós, seres humanos. E também não serve para dizer que uma pessoa aqui é melhor do que uma pessoa ali, tudo depende das condições que se quer e busca, ou seja, o melhor é sempre relativo a determinadas condições.

Mas é importante notar a forte correlação entre o alinhamento interno e o a atuação preferencial no SER.

Portanto, nossa colocação é que a Hierarquia colocada na Tabela 1 pode ser operacionalizada da seguinte forma:

1 Comece a se sentir, suas emoções, sentimentos, receios, seus valores e crenças, perceba-se como você é. A chave aqui é o verbo SER! O que você é, é dinâmico, mas é lenta, muito lenta a sua mudança: suas percepções, seus sentimentos e até os seus valores podem variar, mas muito pouco com o tempo.
   
2 O "você", ao longo do dia, defronta-se com várias situações: você - cônjuge, você - pai ou mãe, você - apreciador de comida chinesa, você - mergulhador, você - leitor diário de jornal, você - empregado; e em cada uma destas situações ou papéis que você assume durante o dia, durante a sua vida, você aceita assumir e desempenhar somente os papéis que estejam de acordo com o que você é! Ou seja, o verbo chave aqui é o ESTAR, e este se subordina ao SER!
   
3

Nos diferentes papéis que você assume durante o dia, você age, executa, faz, se comporta, orienta, lê, cuida de si, etc. e tal. Este é o campo das ações, da vida prática do dia a dia. Este FAZER, por sua vez, subordina-se ao ESTAR. Podem até querer que você faça alguma coisa que não consta de seus papéis aceitos. Cabe a você buscar:

- primeiramente: a sua validação interna: esta nova ação está de acordo com o que eu sou?

- em segundo lugar: verificar se este novo fazer representa a assunção de um novo papel que você pode e quer assumir?

A decisão e as conseqüências dessa decisão são suas, sempre! Como diz a 1º Lei da Assertividade: você tem o direito de julgar seu próprio comportamento, pensamentos e emoções, e assumir a responsabilidade por seu início e conseqüências sobre você mesmo.

Aqui e agora é a hora da ação, o verbo chave aqui é FAZER, que se subordina ao papel que você está desempenhando, ao ESTAR.

   
4

Finalmente, o resultado das suas ações!

Aqui você colhe os frutos das suas ações, você obtém os resultados produzidos por suas ações. As suas ações permitem você ter: bens materiais, posses, posição social, posição no trabalho, posição na família, posição na comunidade e os relacionamentos provenientes de cada uma dessas posições assumidas.

O que você tem depende do que você faz! O verbo chave aqui é o TER, que depende do que você fez, e portanto subordinado ao FAZER.

 

A seqüência da apresentação acima é a mesma da Tabela 1, e é a razão pela qual chamamos essa Tabela de HIERARQUIA (ver a 1º coluna da Tabela 1).

Na hora de recrutar pessoas para a sua empresa, que tipo de pessoa sua empresa procura?

Sua empresa procura pessoas alinhadas?

Sua empresa procura pessoas com local de controle interno ou externo?

Sua empresa procura pessoas ativas ou reativas?

Há testes específicos para detectar estas variáveis acima?

Leitura Adicional

Se você quiser ler mais sobre o assunto, eu recomendo os seguintes livros:

1 - “Liderança baseada em princípios”, de Stephen Covey, Editora Campus, 1994. O capítulo 12, cujo título é “Oito formas de enriquecer o casamento e as relações familiares” deve merecer especial atenção.

2 - “Endoquality – as dimensões emocionais e espirituais do ser humano nas organizações”, de Ken O’Donnell, Editora Casa da Qualidade, 1997.

3 - "O Lado Humano da Qualidade", de Claus Moller, Livraria Pioneira Editora, 2002.

4 - "Quando digo NÃO, sinto-me culpado", de Dr. Manuel J. Smith, Editora Record, 1975.

O presente texto deve muito a estes quatro autores e livros.

________________________________
Caso você queira discutir algum aspecto deste artigo, esclarecer estratégias para montar equipes que funcionam ou esclarecer outras dúvidas, contate-nos já!

 

© Copyright 2004, Carlos Alberto de Faria, Merkatus
Este "site" foi desenvolvido pela Merkatus.