CARLOS ALBERTO DE FARIA  apresenta:
 BOLETIM ELETRÔNICO SEMANAL - BES Assinar o BES, clique aqui!



 

A EMPRESA MÍOPE


"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena."
Fernando Pessoa

"Nunca traga suas necessidades ao mercado, traga as suas competências.
Se você não se sente bem, fale com um médico, não com o mercado.
Se você precisa de dinheiro, procure um banco, não o mercado."
Jim Rohn


Eu coloquei este assunto em debate ao longo de um tempo razoável. Portanto eu sei o que a maioria dos empresários, administradores, gerentes e estudantes pensam.

A grande maioria diz, alguns se justificando mais, outros não tendo nenhuma necessidade disso, que a finalidade de toda e qualquer empresa é o lucro.

Acrescentam alguns que se não fosse para buscar o lucro deveria se transformar em uma Organização Não Governamental. Raríssimos dizem algo próximo de atender o cliente ou atender a sociedade.

O interessante é que um tema como este deveria ser muito debatido nas faculdades de administração, economia e marketing, no mínimo, coisa que nessa minha busca de debate notei praticamente inexistir. Este debate necessário ajuda a informar e formar opiniões consistentes, embora eu reconheça que o assunto é controverso. O que mais uma vez mostra a necessidade imperiosa do debate amplo.

Antes de apresentar a minha posição sobre o assunto faz-se necessário esclarecer que o assunto encontra várias vertentes e meandros, portanto este artigo busca trazer somente mais um ponto de vista.

Para mim a empresa moderna é um organismo vivo dentro da sociedade, sendo aceita e trabalhando dentro desta mesma sociedade. A sociedade aceita a intervenção desta empresa enquanto esta for benéfica a esta mesma sociedade. Para mim a definição de empresa perene é aquela que agrega valor contínua e constantemente à sociedade onde ela atua.

E o que toda empresa busca é a perenidade.

Já empresas com foco no lucro são, na maioria dos casos, aquelas que não se desenvolvem, possuem empregados que cumprem ordens, não desenvolvem seus empregados, não aprendem, têm uma visão de "sugar" o lucro da sociedade, uma visão utilitária e exploradora da sociedade.

O lucro, para mim é conseqüência do valor entregue à sociedade.

É uma troca pactuada: a empresa entrega valor e obtém lucro.

Para mim todo organismo tem o objetivo primeiro de ser perene, de batalhar pela sua sobrevivência. Esta é a finalidade da empresa: sobrevivência.

Mas outros perguntarão:

- "É, mas para sobreviver, a empresa precisa de ter lucro."

E eu vou concordar. Mas desta maneira, assim como eu coloco, o lucro passa a ser uma necessidade, tal como a comida para nós. Nós comemos para viver, não vivemos para comer. A comida não é a finalidade da nossa existência, mas uma necessidade para a nossa sobrevivência, podendo e devendo até ser prazerosa. Tal como o lucro para as empresas.

A finalidade de uma empresa é entregar valor constante e continuamente valor à sociedade, garantindo a sua sobrevivência. Que sociedade é esta?

Esta sociedade é composta das pessoas interessadas: clientes, empregados, acionistas, e sociedade vizinha e circundante, tanto sob o ponto de vista territorial, como sob o ponto de vista de relacionamentos e influências.

Em outras palavras, a equação do valor à sociedade é a seguinte:

Valor Agregado Ao Empregado PRODUZ Valor Agregado Ao Cliente PRODUZ Valor Agregado Ao Acionista

e os três agregam valor à sociedade circundante ou vizinha.

A finalidade de qualquer empresa moderna é a perenidade:

1. Gerar valor agregado ao empregado (satisfação ou encantamento).
2. Gerar valor agregado ao cliente (encantamento).
3. Gerar valor agregado ao acionista (lucro).
4. Gerar valor agregado à sociedade vizinha e circundante (responsabilidade social).

Uma pesquisa feita pela Universidade Vanderbilt e a CustumerSat detectou que a fidelidade (retenção) do cliente está fortemente correlacionada à retenção dos empregados, e não à satisfação dos empregados (que está correlacionada à fidelização dos clientes, mas de forma mais tênue).

E o empregado? O empregado é um espelho, trata o cliente como ele é tratado.

Leia a Lei Do Espelho.

Na minha opinião o freqüente foco no lucro é que leva a relação das 500 maiores empresas, de 10 anos atrás, ser muito diferente da atual relação das 500 maiores.

- "Por quê?" - me pergunta você.

Por um simples fato, respondo eu:

- "Entre encantar um cliente ou aumentar o lucro, o foco no lucro leva a empresa à segunda opção: aumentar o lucro. E o cliente opta por outras empresas que lhe entregam maior valor. A empresa morre e não sabe por quê. Lucro é conseqüência de valor agregado à sociedade".

Portanto, para mim:

- A sobrevivência é a finalidade de toda e qualquer empresa. 

- A sobrevivência é garantida pela contínua e constante entrega de valor às partes interessadas.

- O lucro é uma necessidade à sobrevivência de quaisquer empresas, mas é conseqüência da agregação de valor à sociedade.

A assunção do lucro como finalidade torna a empresa míope e fadada ao insucesso:

- Míope pois não consegue enxergar além do lucro, quando este é mera    conseqüência da agregação de valor à sociedade.

- Fadada ao insucesso pois entre entregar valor ou aumentar o lucro, que é    o seu foco, opta pelo lucro, enquanto os clientes...

- Bem, os clientes optam por outras empresas que lhe entregam mais    valor.

Ou seja, há uma lei inescapável: a sociedade só promove e compra das empresa que lhe entregam valor. É uma reciprocidade.

Já entre a grande maioria dos empresários e empreendedores, por terem uma visão imediatista e míope, faz com que poucos se apercebam deste quadro... e as 500 maiores empresas vão mudando, ano a ano.

Não bastasse tudo isso apresentado, vamos fazer uma pergunta à semelhança da célebre frase:

- "Quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha?

- "Quem vem primeiro: o cliente ou o lucro?"

A resposta a esta pergunta dá o foco necessário a toda e qualquer empresa. O resto, bem, o resto é conseqüência...

E a sua empresa, ela está agregando valor à sociedade? Ela está crescendo? Qual o foco da sua empresa?

A sua empresa quer participar da relação das 500 maiores empresas? Isto é difícil.

A sua empresa quer permanecer na relação das 500 maiores empresas? Isto é mais, muito mais difícil.

Se a sua empresa está com dificuldades em agregar valor à sociedade visando garantir a sua perenidade, a Merkatus pode ajudar. Para maiores detalhes, contate-nos:

cafaria@merkatus.com.br ou

047 3369-2465

Que você construa a sua visão de uma ótima semana.
__________________________
Se você quiser assinar GRATUITAMENTE este Boletim Eletrônico Semanal, cadastre-se aqui:

http://www.merkatus.com.br/10_boletim/index.htm . Nesta mesma página podem ser encontrados os Boletins Semanais anteriores.

Caso queira cancelar o recebimento deste Boletim Eletrônico Semanal basta nos enviar um "E-MAIL" para contato@merkatus.com.br preenchendo o campo "ASSUNTO" OU "SUBJECT" com a palavr
a DESCADASTRAR.
______________________

Este Boletim Eletrônico Semanal é uma prática de disseminação de conhecimento adotada pela Merkatus, através do correio eletrônico, de circulação restrita e exclusiva para pessoas, instituições ou empresas que manifestaram o interesse em recebê-lo. Este Boletim Eletrônico Semanal aborda temas que ajudam as pessoas, as empresas e as instituições a aprimorar: a obtenção de mais e melhores clientes certos, a conformidade do que produzem ou fazem à demanda do seu mercado, a aproximação de interesses convergentes entre a demanda e a oferta, dentro da área de serviços. É nosso intuito promover o desenvolvimento pessoal e aprimorar as relações comerciais do mercado.
.Este Boletim Eletrônico Semanal pode ser impresso, repassado ou copiado, no todo ou em parte, desde que
1º - mantida a autoria;
2º - divulgado o autor e
3º - divulgado o endereço do "site"  http://www.merkatus.com.br.

© Copyright 2004, Carlos Alberto de Faria, Merkatus
Este "site" foi desenvolvido pela Merkatus.